Com a quarentena, apresentação a distância foi alternativa para a festa surpresa e animou todo o prédio na Chácara Santo Antônio

(Reprodução Facebook/Divulgação)

Michael Stupka completou 51 anos na quinta-feira (16), mas nem mesmo um coquetel com amigos seria possível devido à pandemia da Covid-19, que obriga a manter o isolamento social. “Queria comemorar o aniversário dele, mas uma festa seria inviável”, lamenta a esposa do alemão, Marinês, 55.

Ela pensou então em despertar uma antiga paixão de Michael: o saxofone. Contratou um músico para tocar do térreo do prédio que fica na Chácara Santo Antônio, Zona Sul. Mas a ideia não foi tão fácil quanto parecia. “O síndico do prédio não deixou ser na área comum, estava interditada por conta da quarentena.”

A resposta do síndico demorou três dias e, na quarta-feira, o músico estava pago, mas não tinha local de apresentação. “Não deu para ser na calçada, precisa de tomada para a caixa de som.” De última hora, a alternativa viável foi um estacionamento que fica ao lado do prédio do casal. “O músico foi até lá e pediu a autorização. Pagamos eles pela utilização do espaço, no fim deu tudo certo”, comemora. Na noite de quinta, então, o saxofonista começou a tocar no local.

“Ele achou que não era pra ele, não estava acreditando. Quando ele [o músico] começou a tocar o hino do time do coração dele… Quase que consegui emocioná-lo. Emocionar alemão não é tarefa fácil!”, brinca ela, que pediu para o músico aprender a canção de um clube de futebol da cidade de Hamburgo, Alemanha, de onde Michael é natural.

Os sucessos que o saxofonista tocou embalaram não só a noite do casal, mas de todo o prédio. “Mandei a ideia no grupo do condomínio e todos adoraram, deram apoio”, lembra. De Bee Gees e Queen, o repertório foi diverso, e contou também com clássicos sertanejos como Evidências. “As pessoas começaram a gritar pedindo músicas. Foi muito divertido”, comemora Marinês, sobre a apresentação que durou uma hora e meia e arrancou muitos aplausos das sacadas.

“Vivendo essa loucura [a pandemia], foi fantástico ouvir aplausos a distância para o seu trabalho, foi simplesmente maravilhoso”, diz Keller Jr., o saxofonista.

A reação dos vizinhos deixou o casal feliz. “Moramos aqui há um ano, por causa do trabalho dele [Michael], ficamos indo e vindo da Alemanha. Não conhecia direito as normas do condomínio e quando mandei a ideia no grupo [de WhatsApp], me apoiaram muito”, diz.

Com informações da Veja São Paulo.