Escola se engaja em ações sustentáveis


A escola recebeu várias melhorias para adequar as atividades à proposta de educação ambiental | Foto: Divulgação/Adasa

Os alunos do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 10 de Ceilândia encontrarão novidades no retorno do calendário presencial. Além de lançar protocolos para evitar contaminações pela Covid-19, a direção da escola implantou melhorias estruturais, durante a quarentena, baseadas no guia Trilhas e Caminhos para a Sustentabilidade Ambiental nas Escolas do Distrito Federal

A publicação, criada por meio de um acordo de cooperação entre a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), aborda práticas ambientalmente responsáveis em instituições de ensino, além de métodos para sua aplicação.

Entre as iniciativas desenvolvidas no centro de ensino, estão a criação de um espaço de convivência com área verde para favorecer a infiltração da água durante o período chuvoso, reativação da horta comunitária, pintura das salas de aula feita de maneira a aproveitar mais a luz natural, instalação de um lavatório com torneira temporizada na entrada da escola, construção de rampa de acessibilidade e, por fim, pintura da fachada com imagens do Cerrado e mensagem sobre preservação ambiental.

Visita orientada

Em 2019, a instituição de ensino recebeu a equipe da Adasa para uma visita orientada que resultou em propostas de intervenções visando à promoção do uso racional da água, reúso, gestão de resíduos e otimização do consumo de energia elétrica na unidade. Os apontamentos levantados seguem as orientações sugeridas no guia de sustentabilidade.

Segundo o coordenador de programas especiais da Adasa, Miguel Sartori, as propostas levantadas após a visita são adaptadas à realidade de cada comunidade escolar e vão além das intervenções físicas. “Também buscamos orientar a escola com sugestões de atividades ecopedagógicas envolvendo alunos e a comunidade local”, conta.

A visita da equipe da Adasa à unidade escolar ocorreu após a participação da professora Jaqueline Martins no curso Gestão Sustentável da Água e dos Resíduos Sólidos, promovido pela Subsecretaria de Formação Continuada de Profissionais de Educação (Eape), em parceria com a agência e outras instituições de cunho ambiental.

Conscientização

“O curso desperta no professor a consciência da importância das questões da conservação e da preservação ambiental”, explica a professora. “Após a apresentação do módulo da Adasa, procuramos o órgão para nos orientar quanto às práticas sustentáveis que poderíamos adotar e a implantação da temática na escola.”

Segundo a diretora do CEF 10, Flávia Hamid, a meta é transformar a escola em uma unidade de referência no desenvolvimento e disseminação de práticas ambientalmente sustentáveis. “Quando cheguei à escola, em 2018, notei que tínhamos muito concreto”, conta. “Aos poucos, começamos a trabalhar na horta voluntária, em ações de reciclagem e em projetos que tirassem os alunos de dentro da sala – como o Conhecendo a Floresta Nacional, quando visitamos uma das nascentes no Descoberto”.

Durante o Fórum Mundial da Água, realizado em Brasília em março de 2018, O CEF 10 foi escolhido para representar o DF na Vila Cidadã, com um projeto de captação e armazenamento de água da chuva. “Nessa época começamos a implementar as primeiras melhorias na unidade, como troca das janelas das salas para o aproveitamento da luz natural e instalação de torneiras econômicas nos banheiros”, lembra a diretora.

O guia Trilhas para a Sustentabilidade Ambiental nas Escolas do Distrito Federal pode ser acessado na biblioteca virtual localizada na  página do projeto Adasa na Escola. A publicação traz ainda indicações de leitura complementar para ser adotada em sala de aula.

Outras entidades que participaram da elaboração do Guia

  • Secretarias de Educação (SEE)
  • Secretaria de Meio Ambiente (Sema)
  • Instituto Brasília Ambiental (Ibram)
  • Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb)
  • Faculdade de Educação-Universidade de Brasília (FE/UnB)
  • Serviço de Limpeza Urbana (SLU)
  • Escola Técnica de Brasília (ETB)
  • Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Ministério do Meio Ambiente (MMA)
  • Instituto Federal de Brasília (IFB)
  • Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do DF (Sinepe-DF)
  • Movimento Nossa Brasília.

Fonte: Governo DF

Felipe Viana

Felipe Viana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *