Escolas do Recanto das Emas cada vez mais lindas e confortáveis


.
Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília
O CEF 113 recebe intervenções desde o ano passado e, em 2020, elas foram intensificadas. Problemas foram solucionados, como a troca da instalação elétrica, que possibilitou a instalação de ar-condicionado. Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília

O Recanto das Emas conta com uma rede educacional de 29 escolas públicas. São 28.673 alunos e mais de 1,6 mil professores entre efetivos  e temporários, além de 16 monitores, 260 profissionais da carreira assistência e 234 educadores sociais voluntários. Toda essa estrutura precisa estar sempre adequada para comportar a comunidade escolar e, principalmente, dar condições de ensino a alunos e professores.

Nesse sentido é importante que as estruturas físicas educacionais passem por momentos de obras. Exatamente o que está ocorrendo na região administrativa. Aproveitando a suspensão das aulas presenciais, desde o início da pandemia o clássico recado “Desculpe, estamos em obras” é recorrente e comemorado pelos gestores educacionais do Recanto das Emas, que têm problemas antigos ou pontuais solucionados atualmente. Os trabalhos são feitos por meio dos contratos de manutenção e do Programa de Descentralização Financeira e Orçamentária (Pdaf), que geram, em média, 64 empregos diretos e indiretos

No Centro de Ensino Fundamental 113, por exemplo, a diretora Núbia Almeida conta que, desde o ano passado, a escola recebe intervenções e, em 2020, elas foram intensificadas. “Conseguimos resolver nossas demandas e solucionar problemas antigos”, diz a servidora, referindo-se à troca da instalação elétrica feita neste ano e que possibilitou a instalação de ar-condicionado em todas as salas de aulas e na coordenação, assim como a utilização dos equipamentos com a nova rede elétrica.

Também foram reformados os banheiros e colocados azulejos nas salas, o que reduziu significativamente os gastos com manutenção. Por fim, foram instalados lavatórios e dispensers de álcool gel na entrada. O  custo total na reforma da unidade gira em torno de R$ 42.500, sendo R$ 30 mil de emenda parlamentar e o restante vindo do Pdaf.

Com 35 turmas, 45 professores e 800 alunos, o CEF 115 está ainda mais colorido e preparado. Na unidade, o pátio interno foi reformado e a pintura interna e dos muros foi refeita, o piso foi trocado e um dos dois parquinhos foi revitalizado. “Percebemos que o piso do parquinho de grama sintética estava instável, dificultando a brincadeira das crianças. Então, decidimos interditar o espaço”, esclareceu a gestora do CEF 115, Jussara Medeiros. Ainda, segundo ela, parece irrisório, mas para algumas crianças é o único momento de lazer no dia, por isso a importância da reforma.

O total investido neste ano é R$ 32.900, sendo que R$ 20 mil oriundos de emenda parlamentar e R$ 12.900 do Pdaf regional. No ano passado, foi feita a revisão das partes elétrica e hidráulica, reposição da areia e pintura do parquinho, instalação de toldo até a quadra de esporte e pintura do muro. “As manutenções são constantes, mas sempre temos demanda e conseguimos ser atendidos, com os recursos do Pdaf”, informou Jussara.

Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília
O coordenador regional de Ensino do Recanto das Emas, Leandro Freire Lima, atribuiu o trabalho ao empenho e integração em todos os níveis da Secretaria de Educação. Foto: Acácio Pinheiro / Agência Brasília

Já no CEF 206, o vice-diretor, João Lúcio Duarte, resumiu que desde o estacionamento até o sinal sonoro foram melhorados. “Ganhamos toldos novos nas janelas para proteger do sol, novo telhado na entrada, pintura da quadra poliesportiva e alambrado ao redor da escola, além da realocação do atendimento da secretaria”. Ele destaca que o valor do Pdaf – de R$ 15 mil – foi gasto este ano para tais ações.

O coordenador regional do Recanto das Emas, Leandro Freire Lima, atribuiu tanto trabalho ao empenho e integração em todos os níveis da Secretaria de Educação. “Temos recebido muito apoio da Secretaria de Educação, temos um bom diálogo direto e estamos fazendo o mesmo com nossas escolas, na ponta da rede onde está a realidade da educação”, disse Leandro.

A sede da coordenação está com equipes trabalhando no auditório, arrumando o sistema de som, reformando os banheiros e fazendo a pintura no prédio. “É possível dizer que em certo momento tínhamos um espaço insalubre. Com todo o capital aplicado e a priorização da educação, fica melhor para desenvolver um trabalho de qualidade”, afirmou Leandro Freire Lima.

Fonte: Governo DF

Felipe Viana

Felipe Viana