Servidores do HRG contam com atendimento de saúde mental


.
Diretoria do HRG separou local para atendimento de saúde mental no mezanino, área próxima ao pronto-socorro | Foto: Secretaria de Saúde

Os servidores que trabalham no Hospital Regional do Gama (HRG) contam com um consultório de saúde mental com atendimento de porta aberta e demanda espontânea na especialidade. O local, que funciona desde a última quinta-feira (30), atende servidores de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h. A equipe é composta por seis profissionais – cinco psicólogos e um psiquiatra.

O projeto foi pensado antes da pandemia de Covid-19 e concretizado neste mês. A diretoria do HRG separou um local para esse atendimento no mezanino, área próxima ao pronto-socorro. Em levantamento recente sobre todos os afastamentos por atestado da unidade, 60% deles eram relativos às questões de saúde mental. Médica e diretora da unidade, Katymara Godoy quer reverter tal situação e buscar uma melhora significativa de atenção a esses profissionais.

“Estamos em um momento muito delicado e histórico. Hoje, mais do nunca, temos que ter os olhos voltados para a saúde mental. Os servidores precisam desse apoio e nossos usuários, também. O projeto visa mitigar grandes impactos decorrentes do contexto, sejam eles imediatos, de médio ou longo prazo. Tínhamos a proposta desde 2019, a princípio como um projeto piloto, mas que foi fortalecido em decorrência da pandemia”, explica a gestora.

Estrutura

A equipe do projeto foi montada com servidores da própria unidade. Eles querem promover uma escuta qualificada com avaliação psicológica e atendimento psiquiátrico, quando necessário. Os profissionais acreditam que a proximidade e a comodidade de ter o serviço na própria unidade ajudarão a aliviar as demandas que têm causado afastamentos. Psicóloga e responsável pelo projeto, Jamila Abdelaziz destaca que a iniciativa comprova o compromisso da gestão em enxergar as questões sensíveis dos profissionais de saúde.

“Os servidores têm um comprometimento muito grande com seus pacientes. No entanto, acabam por atropelar sinais que o corpo dá de uma mente cansada e sobrecarregada. Vemos a dedicação de cada um, mas o dia a dia é difícil na linha de frente, além de setores delicados na retaguarda. São reconhecidos como verdadeiros heróis, mas é preciso ter válvulas de escape. Cuidamos de diversas áreas, como coração, olho… Mas, esquecemos da saúde mental. Com isso, queremos mostrar a importância dessa área e tornar o acesso mais fácil”, observa a psicóloga.

Saúde mental

Em maio, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países para uma estratégia urgente em saúde mental. Documento publicado pelo órgão traça um resumo político sobre a relação da área com a Covid-19. Questões como isolamento social, medo de contágio e perda de membros da família são apontadas, assim como a perda do emprego e, consequentemente, da renda familiar. Grupos populacionais específicos correm um risco particular de sofrimento psicológico relacionado à Covid-19.

De acordo com o órgão, são particularmente afetados os profissionais de saúde da linha de frente, uma vez que estão diariamente confrontados com cargas de trabalho pesadas, decisões de vida ou morte e risco de infecção. Durante a pandemia, na China, os profissionais de saúde relataram altas taxas de depressão (50%), ansiedade (45%) e insônia (34%). E, no Canadá, 47% dos profissionais de saúde relataram a necessidade de suporte psicológico.

* Com informações da Secretaria de Saúde

Fonte: Governo DF

Felipe Viana

Felipe Viana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *