Bate-papo com o síndico Karol Józef



Na 43° edição da série de entrevistas intitulada de BATE-PAPO COM SINDICO, conversamos com o síndico do Condomínio Residencial San Pablo, Karol Józef, atuante no setor Sudoeste bairro de Brasília-DF, com formação em Administração em Sistemas de Informação, especialização em Governança em Tecnologia da Informação, e em Gestão e Desenvolvimento de Sistemas de Informação. Karol Józef está atuando como Síndico Profissional com formação pela Gábor RH, Abrassp e SindiCONDOMÍNIO/DF, ele está atuando em sua cidade, veja abaixo as respostas desse competente síndico ao nosso portal




1-) Por que decidiu ser Síndico?
Aos vinte anos de idade, fui outorgado por meu pai a participar de uma assembleia do condomínio. Diante de tantos desafios, os moradores daquela assembleia, por unanimidade, elegeram-me síndico. Naquele momento, sem entender o que estava acontecendo, notei que o meu dever era trazer respostas rápidas e sanar dívidas que chegavam na casa de centenas de milhares de reais. Ao passar dos anos, pude entender melhor o funcionamento do condomínio e coloquei em prática princípios como ética, honestidade e valorização do morador em primeiro lugar, que resultou em uma experiência fantástica de relacionamento interpessoal baseado em harmonia e confiança, elementos essenciais para o sucesso da administração do síndico. Posto isso, notei que o bom síndico tem que estar envolvido com a comunidade, participar das reuniões comunitárias e lutar para o desenvolvimento e segurança da sua região. Somado esses e outros valores, percebi que ser síndico não é apenas "pagar contas", mas um talento, ou seja, um dom para ouvir e ajudar cada condômino.

2-) Como conciliar suas atividades, mais a de Síndico?
Apesar do síndico ter suas atividades corriqueiras, procuro sempre dar atenção em primeiro lugar ao morador. O advento da tecnologia trouxe uma nova forma de administrar condomínios. Para aproximar os moradores da gestão do síndico é importante a utilização de ferramentas online e aplicativos na palma da mão que permitam ao condômino acompanhar e participar das decisões. Portanto, nos condomínios que administro procuro oferecer recursos tecnológicos, sem custo adicional, para motivar a participação online dos moradores. Por meio desses recursos é possível acompanhar gastos em tempo real, contratos, processos judiciais, entregas de encomendas, registro de livro de ocorrência, achados e perdidos e outros recursos inerentes ao condomínio. Tudo isso me permite conciliar as atividades com sucesso. 

3-) Como é ser Síndico?
Eu defino como um talento, um dom que aproxima um ser humano de outro. Ser síndico não é apenas autointitular-se profissional, esconder-se atras de um CNPJ e reconhecer-se detentor da verdade. Não é criar situações vexatórias e/ou autocráticas em benefício próprio. Não é se promover em detrimento de outros. Ser síndico é saber ouvir, é praticar a autocrítica diariamente e aprender com situações do cotidiano sem fazer acepção de pessoas e ideias.

4-) Quando assumiu, quais os problemas encontrados?
Ao longo de 18 anos administrando condomínios foi possível colecionar histórias. Mas o que me impressiona é a falta de compromisso de síndicos com os moradores. As situações mais inusitadas que encontrei e as que ainda encontro são: a falta de pagamento por vários anos do INSS e FGTS de funcionários, contas essenciais atrasadas (luz, água e gás), processos judiciais diversos. Este último, muitas vezes, são ações autocráticas tomadas pelo "síndico" sem consultar assembleia, impondo seus interesses e vontades alheias ao coletivo que levam o questionamento à justiça.

5-) O que representava o maior problema?
Creio que o maior problema seja a dificuldade de mostrar aos moradores que existem síndicos que estão realmente preocupados com a sua comunidade condominial. Hoje vejo muitas pessoas que se intitulam síndicos e/ou até "síndicos profissionais", mas continuam com as velhas práticas de impor seus interesses, seus gostos pessoais ao condomínio em geral, falta de compromisso com contas, inércia nas atividades corriqueiras, tratamento desumano com os moradores, falta de interesse em chamar assembleia para participar e colaborar nas decisões básicas no condomínio.

6-) Deixe uma mensagem de otimismo para os seus colegas Síndicos
A qualidade do serviço começa com o respeito e valorização do morador. Saber ouvir, compartilhar ideias e executar ações rápidas são determinantes para o sucesso na administração condominial.

Quando se pratica a ética, honestidade e valorização dos moradores, você será recompensado com gratidão genuína e harmonia condominial.

Portal Cidades e Condomínios por Jornalista Paulo Melo 61 98225-4660 Sugestão de pauta: cidadesecondominios@gmail.com #Cidades #Condomínio #PauloMeloJornalista #CidadeseCondomínios